Skip Navigation Links
Início
Contactos
Biblioteca Municipal de Cantanhede acolhe exposição de Maria Eugénia Cruz
Até ao próximo dia 31 de maio
Biblioteca Municipal de Cantanhede acolhe exposição de Maria Eugénia Cruz
Encontra-se patente ao público na Biblioteca Municipal, durante o mês de maio, a exposição Azulejos e Porcelanas, de autoria de Maria Eugénia da Cruz.

Na mostra estão patentes 31 trabalhos em azulejaria e 20 peças em cerâmica pintadas pela autora. Os temas das peças são variados e exprimem motivos diversos que vão desde os florais, às figuras geométricas e humanas, entre outros.

Desde jovem que Maria Eugénia Cruz demonstrou interesse pelas artes manuais e pela pintura, particularmente de azulejos e porcelanas, mas foi só após a sua aposentação que começou a pintar de forma regular. Como a artista refere, “aposentada e com os filhos já independentes, decidi iniciar a minha aprendizagem na arte da pintura em porcelana, tendo para o efeito recorrido à professora Eva Pascoal, o que me permitiu realizar alguns lindos trabalhos”.

Maria Eugénia destaca o “grande gosto pelo azulejo especialmente “séc. XVII”, recorrendo a várias técnicas com resultados também diferentes, fui produzindo trabalhos, alguns dos quais aqui presentes, já que habitualmente são produzidos painéis decorativos que se fixam, não permitindo a sua remoção”.

História do azulejo em Portugal
O azulejo foi introduzido em Portugal no século XV. Oriunda do norte de África, esta arte foi trazida por artistas islâmicos e introduzida nos principais centros de produção ibéricos, tendo mais tarde sido criadas olarias especializadas na produção de azulejos em Lisboa.

Sendo a utilização do azulejo comum a outros países, a arte da azulejaria distinguiu-se em Portugal, assumindo especial importância no contexto universal da criação artística.

Atualmente, apesar da sua industrialização, há ainda o gosto de recorrer à pintura artesanal utilizando as várias técnicas presentes “no azulejo artístico” essencialmente pintado à mão, com recurso a tintas solúveis em água nas cores azul cobalto, verde-cobre, castanho, amarelo e vermelho, este último muito difícil de aplicar.

Dado que a superfície dos azulejos é porosa e delicada, absorve imediatamente e com carácter definitivo qualquer pincelada, não permitindo possíveis correções.

Para a autora, “a pintura em azulejo requer um apurado sentido de antevisão da cor porque os tons pretendidos só se revelam após a cozedura das peças. Neste caso em apreço, do “azulejo vidrado cru”, vai a cozer a 1020 graus… riscos constantes e desafiadores que trazem alguns desaires!...”

Sobre Maria Eugénia Canuda da Cruz
Maria Eugénia nasceu no ano de 1937, em Arazede. Tirou o curso de Enfermagem, na Escola Dr. Ângelo da Fonseca, em Coimbra, e a Especialidade de Saúde Materna e Obstétrica, no Instituto Maternal do Porto. Fez um curso de Saúde Pública, em Lisboa, e o Mestrado em Administração de Serviço de Enfermagem, na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
 

fonte: GIRP   8 maio 2019

Enviar por email Bookmark and Share

Município

Concelho

Turismo

Notícias
 
Agenda
 
Entidades
 
Documentação
 
Contactos
 

Serviços Online